quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A Galopeira e o berrante

Quando pequeno eu fazia, todo ano, duas viagens. Em julho eu ia pro Rio de Janeiro passar um tempo com minha mãe biológica e em outubro eu ia com minha madrinha e minha mãe, que eu chamava de mãe mesmo, mas era avó, pra Aparecida do Norte. Ir pro Rio era legal, conhecia muita gente, ia à praia, nos parquinhos... Mas Aparecida era muito bom, porque ia com minha mãe-avó. E se tem uma coisa que eu sempre gostei foi de exibir minha avó quando saía com ela. Mulher forte, de opinião, respeitada e querida por todos. Era brava, ai de quem aprontasse perto dela, fosse filho de qualquer um ela sempre passava uma boa carraspana.
Pois bem, eu devia ter uns 4 anos ou 5, não me lembro bem e estávamos nos preparando pra ir a Aparecida. Dois dias antes a mãe (vó) já começava, junto com minha madrinha, a fazer os quitutes. Broa de milho, biscoito de trança, rosca de araruta (que nunca soube o que é) e frango frito pra comer na hora do almoço. A mãe não deixava a gente comer as porcarias de beira de estrada e tinha horror de quem comia biscoito de polvilho em ônibus, além de fazer barulho, sujava toda a roupa. Na hora da parada, enquanto o povo descia pra almoçar, a gente ia abrindo os tupperwares e o cheiro dos quitutes sempre atraía uns 4 ou 5, coisa que eu odiava, porque sempre os adultos tinham que comer antes dos pequenos e sobrava pouco pra gente. Porém, qualquer protesto poderia render uma coça bem dada na frente dos outros, e eu não estava disposto a correr esse risco pelos biscoitos que sempre comia em casa.
Nessa ocaisão, o menino Donizetti dominava as paradas de sucesso com seu superfôlego cantando Galopeira. Como gritar sempre foi uma das minhas coisas preferidas, eu saía pra tudo que é lado cantando Galopeira, como se não houvesse amanhã. Pois bem, cismei que queria ser o Donizetti. Andava pra todo lado de calça "UStop", camisa xadrez de flanela que a mãe mandava a costureira fazer e uma botinha zebu pra completar o look.
Já na cidade, estava assim caminhando, depois de assitir a missa da Basílica, quando vi um compacto do Donizetti em que ela aprecia com um berrante. Pronto, deu-se a desgraça! Cismei que queria um berrante. Primeiro cochichei no ouvido da madrinha, que mandou pedir pra mãe. Fui pedir.
_Mãe, me dá um berrante?
_Pra quê, menino?
_Quero ficar igual o Donizetti!
_Mas você já tem a roupa, a bota...
_Mas eu quero o berrante também!
_Mas é caro! Vamos embora, quando a mãe tiver dinheiro a mãe compra!
_Mas eu quero agora!
_Vamos embora, que hoje não dá!
_Mas eu quero, e quero e pronto!
Nesse momento eu emburrei, cruzei os braços e fiquei rígido, e o povo ao redor já parando pra ver o espetáculo!
_Vamos embora! Senão a gente vai perder o ônibus e você vai ter que morar aqui com os mendigos (coisa que eu tinha pavor).
_Não saio daqui sem o meu berrante! Gritei, cheio de opinião.
_Ah não? Então vamos ver!
Senti as palmadas no traseiro fortes e ardidas. E comecei a chorar, na frente de todo mundo, que parou pra ver. No que minha avó, envergonhada por ter me batido na frente dos outros, solta a pérola:
_Com esse berro que você tem, não precisa de berrante coisa nenhuma, vamos embora.
E eu fui, com o "rabo quente", aos berros, sem o meu berrante!

8 comentários:

Lorena Pôssa disse...

kkkkkkkk
Tbm já garrei ódio da Sandy - e do Júnior com essa bandinha nova ridícula. Mas essa música é a única exceção da regra!

Fravea disse...

vocÊ e luana cantam a mlehor galopeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeiraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa do mundo

Anônimo disse...

esses posts tinham que ter foto. só foto pra ficar mais perfeito ainda.

Ana P. disse...

Menino,
Seu texto parece cinema ... lendo eu te vi de botinha zebu e berrando por um berrante. É sempre bom passar por aqui!

Erikinha disse...

Sobre (TU-Shakira)
Pelo jeito nosso gosto musical é o mesmo...na maioria das vezes...eu tbm estou amando de novo...é sou feliz por poder compartilhar...
Amando cada vez mais seu blog...não vivo sem.
Vc é especial..preciso ir pra SP.. e quando for farei questão de te conhecer...

Anônimo disse...

ai ai ai lembraças lembranças!

Ana disse...

mas q coisa mais bonitinha q devia ser vc de roupinha de Donizetti..rs...
saudades de vc! poronceanda?
:)

Cláudio disse...

_Quero ficar igual o Donizetti!
_Mas você já tem a roupa, a bota...




kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
FOTOS! PRECISO DE FOTOS! hahahahahahaha