sábado, 20 de setembro de 2008

Pra que essa cara tão esticada, vovozinha?


O que aconteceram com as vovozinhas de antigamente?
Estava andando outro dia em um shopping center e vi que praticamente não existem mais mulheres com cara de senhoras como antigamente. Ontem mesmo, pela manhã, fui dar minha aula de inglês na Faria Lima, quando ao entrar no elevador veio uma senhora sorrindo em minha direção. Achei estranho, nunca tinha visto essa senhora em lugar algum, mas sorri de volta. Quando ela chegou perto eu vi com espanto que aquilo não era um sorriso. A cara da mulher tava repuxada, uma coisa bizarríssima, em lembrando a Carmelita Baruerink da Vega, personagem da Graziella Moretto. 
Tenho muitas amigas que não aparentam a idade que têm, mas não se vê nada artificial nelas. Acho que cada qual tem que fazer o que tem vontade pra ficar bonito, mas não precisa se descaracterizar. Mas as vovós paulistanas estão cada vez mais salientes, e querem competir com as filhas os elogios dos "rapagões" que elas encontram nas ruas. O mais foda porém, é a cara novinha com aquela mão de Moon-ha e o pescoço de peru. Queria andar na rua e encontrar mais senhorinhas de vestidinhos com cabelo azul e twin-set de lã. Porém, acho mesmo que o Lobo Mau comeu a vovozinha, e as que sobraram querem se fantasiar de obras do Madame Tussaud.
Ou então, elas pegam a roupa da própria netinha e saem por aí, pregando peças nos incautos!

2 comentários:

val maria; disse...

como ainda frequento a igreja católica, ainda consigo visualizar aquelas velhas carolas, com fitinha de grupo religioso, igual 1910. mas na rua, normalmente, só coroa esticada, falando gíria e achando um absurdo ser chamada de senhora.

cara, devia dar graças a deus que chegou a velhice com tanta bala perdida.

Ravel disse...

hauhauiiuahuihuaiiua
minha vó é uma ótima vó! bem dona benta.

























NOT