domingo, 20 de dezembro de 2009

Sobre as horas difíceis

Hoje o dia amanheceu frio e cinzento aqui em Barbacena. Não muito diferente dos outros dias nessa época do ano, mas hoje estava particularmente frio e cinzento.
Quando acordei, a mãe já estava de pé, se arrumando. Conferiu a bolsa, as roupas, tomou café e se trocou. Sentou em seu lugarzinho na cozinha, leu seu livro de orações e ficou vendo receitas na TV. Eu tentava achar algo pra falar, mas nada me vinha à cabeça. Eu que sou um falastrão,nunca sei o que falar nas horas mais difíceis. Minha tia, pra não demonstrar o nervosismo pela situação, começou a faxinar a casa às seis da manhã e quando terminei de tomar banho já estava tudo pronto.
Chegou a Kombi. Fui com a mãe até o portão, enquanto a tia terminava de se arrumar e dava as últimas recomendações à minha prima. Vim o caminho todo sem falar nada, a não ser por um breve comentário sobre o dia frio. Foi o que consegui. Logo tive que me calar, porque senti um nó vindo à garganta, o mesmo que seguro agora enquanto escrevo.
Cheguei no portão da escola. Hora de descer.
_ Bença, mãe! Vai com Deus!
_ Amém!
Entrei rápido pelo portão e procurei não olhar pra trás enquanto a Kombi ia rumo ao hospital.
Sentei no banco do lado de fora do prédio do curso. Não consegui mais segurar o nó e ele se desatou em lágrimas. Sei que eu não deveria, que deveria ser forte. Mas o medo de perder a pessoa que mais se importa com você e que você mais ama em toda a sua vida é maior que qualquer força, é maior que qualquer discurso... É maior que a vontade de chorar...

7 comentários:

Nina disse...

Own Charlie...

Nem sei do que se trata, mas dor de filho eu sei bem como é. E sabendo que nem sempre o coração aguenta o tranco, que a porrada às vezes parece ser maior que nossa própria alma, não poderia te dizer apenas "força, Charlie". Desejo, além disso e com muita sinceridade, que a calma, a paz de espírito e o afago na sua alma cheguem logo e sejam companhia permanente. À sua mãe, proteção, saúde, muita luz.

Beijo, abraço, e uma mão pra vc segurar, ainda que em pensamento.

Nina Neder

Mai Gonçalves disse...

Força, amigo!

Ana P Xavier disse...

Charlie, querido. Eu tb sou péssima nessas horas, nunca sei o q dizer.
posso cantar? "don't worry, about the things, cause every little thing´s gonna be all right...this is my message to you"
estamos com vc.

beijos!

Nina disse...

Paz, força e luz para vocês. E muita, muita saúde!

beijo

Zeitgeist disse...

Vai com calma e diga apenas que sempre a amou. É o que importa, é o que ela vai levar e é o que vc vai deixar. Segue em paz, tem que coisa na vida que, por mais que tentemos, a gente não controla.

Frá disse...

estou aqui, sempre.

Daany* disse...

Euu tbm não consigo falar nada em momentos dificeis! Mas o segredo é vc ter força e não desistir. Tem muitos amigos aqui pra te ajudar!
Bjooos**