domingo, 4 de agosto de 2013

Sobre a vida

À medida que o tempo vai passando, eu sinto o meu maior medo se tornando realidade. Sinto caminhar para o inevitável e encontrar o meu destino, que é terminar sozinho. Ao mesmo tempo eu acho que essa é a minha missão. Eu tenho que aprender a viver sozinho. É como se eu carregasse uma maldição ou uma sina mesmo, sei lá.
Primeiro foi o abandono do meu pai. Não sei nem se ele chegou a ver minha cara ou se um dia me tocou. O fato é que ele não me quis. Depois, eu cresci uma criança basicamente sozinha. Não podia ir brincar na casa dos outros e quase ninguém podia ir à minha casa. Eu era praticamente autista. Me lembro que eu sentava no meio do milharal e conversava com as espigas de milho como se elas fossem pessoas. chegava a ficar horas nesse mundo, cercado de pessoas loiras vestidas de verde que me entendiam e me faziam companhia. Como adolescente, tirando o último ano que eu passei praticamente vivendo em Correia de Almeida, eu habitava praticamente o fundo de qualquer cômodo existente. Era o fundo do quarto, o fundo da sala de aula, até pra andar de ônibus eu me colocava no fundo. Vim para São Paulo e ficava dias sozinho em minha casa, sem ninguém perceber se eu estava lá ou não. Chegava inventar coisas mirabolantes para me distrair e fazer passar o tempo. Quando eu não tinha mais ideias malucas, eu pegava um ônibus e ia rodando a cidade toda escutando música no meu discman, de terminal em terminal só pra ver gente diferente. Lembro de um dia que fui de Santo Amaro à Cidade Tiradentes.
Aí vocês podem dizer que hoje eu tenho amigos, que eles nunca me deixarão sozinhos e tal. Bom, de fato eu tenho amigos maravilhosos, que me acolhem, que me fazem sentir parte de algo maior que a minha pequenez. Mas ainda assim cada um tem a sua vida, sua família, seus momentos. E vai haver o dia, como já aconteceu muitas vezes, que eu vou ter que me trancar no meu quarto e lidar sozinho com os meus demônios.
Ah, mas e o amor? Bom, nesse eu acabo de perder totalmente as esperanças, chego a duvidar da sua existência. Pelo menos pra mim, nunca funcionou. As coisas sempre acabam por motivos justos ou por motivos inexplicáveis, quiçá inventados.
Bom, já que descobrir que minha vida é isso mesmo, queria poder fechar os olhos e adiantar o meu relógio. Queria chegar logo no fim, porque as aulas estão sendo muito sofridas na minha escola da vida! Queria poder passar adiantado...

5 comentários:

Unknown disse...

I get you.

E dificil a gente aprender a ser sozinho, mas aprendi de maneira muito dificil que existe uma grande diferenca entre "being lonely" e "being alone".

Essa diferenca vem do amadurecimento e da coragem de enfrentar certos medos e "strengthening" nossas ideias.

Quanto ao amor - 28 anos e nunca tive um namorado. Me faz falta? Talvez...mas acredito que as coisas acontecem no momento certo.
Ja conheci muita gente no momento errado, e a gente nao pode viver a vida como filme da Disney - o happy ending nao necessariamente precisa-se de um grande amor.

My best advice:
http://data.whicdn.com/images/64699432/large.jpg

And
http://25.media.tumblr.com/tumblr_mcedcy29RM1qc58who1_500.gif

Love,
A. x

Giselle Rangel disse...

Que desperdício vc falando com as espigas! De qualquer forma, sorte delas.

Anônimo disse...

Viva o hoje, não pense no amanhã. Aproveite da companhia de seus amigos que o admiram tanto!

Anônimo disse...

Viva o hoje, não pense no amanhã. Aproveite da companhia de seus amigos que o admiram tanto!ass: Regina Balbe

Cristiane disse...

Charlinho, te abraço...
Chorei. Acho que pq, no fim, eu tenho medo de solidão também
Cê mora no meu <3, desde a primeira hora